Sobre o meu atraso

27 de out. de 2014

Peço desculpa se eu me perder um pouco, é a primeira vez que escrevo embriagada. Sinto muito. Sinto tanto. Enchi a cara de álcool, mas a ressaca é por conta do coração partido. Eu sei, já sei, a culpa foi minha e do meu medo de amar. Admito, fui fraca, sou fraca, matei o nosso amor no parto e carrego a dor desse aborto comigo. Desculpa.
Você chegou de mansinho com esse seu olhar de quem esconde os segredos do mundo e destruiu minha armadura, essa que eu levei anos armando, que me protegeu de inúmeras tempestades românticas, que encobriu as minhas dores e me privou da leveza da vida. Você mudou meu rumo, desatou meus nós e me tirou do eixo. Chegou com esse jeitinho marrento, implicante, provocante e me salvou do marasmo que eu tinha mergulhado, a minha aquarela andava meio preta e branca e você me trouxe cor, fez com que eu quisesse acreditar de novo que podia dar certo, mas me faltou coragem para arriscar em nós. Fiquei apavorada com a chance de voltar a doer, fraquejei diante os riscos sem me dar conta de que você valia todos eles.
Olhava os hematomas que carrego em mim feito ouro carimbado na pele e estremecia diante a chance de você virar mais um roxo no meu coração. Eu dizia que você não era pra mim, mesmo você já sendo meu. Armei barreiras por achar que não daríamos certo, cismei que no fundo eu era mais uma diversão que você usaria para passar o tempo, afirmei com veemência que você jamais se prenderia a alguém feito eu, mas não, você não era bicho solto, nem preso, nem nada, você só queria que a vida fosse simples e eu compliquei tudo, por ânsia de querer deixar a vida mais difícil acabei me proibindo de ver que tudo o que você queria era ser meu e te privei de receber o amor que já era seu. Te perdi por medo de me perder em você e não achar mais a saída, só não me dei conta de que aí dentro eu andava mais segura.
Sei que to chegando atrasada, para variar, mas queria que você soubesse que não to sabendo lidar com esse sentimento todo sem tua mão segurando a minha, quando der vê se aparece e eu te juro que não deixo mais você sair.
Esse texto foi escrito pela Gabriela Freitas. Repostei pois reflete o que eu sinto no momento.